05.09.2012
Postado por Rachel Rosemberg

Um grande blog de crítica a filmes americano, IndieWire se pronunciou após a exibição de “Spring Breakers” aos corpo de jurados, críticos e convidados especiais no Festival de Veneza desse ano. Confira abaixo o que foi dito por eles.

Isso vai fazer você se sentir velho: já fazem 18 anos desde que Harmony Korine escreveu “Kids” com a idade de 21, o filme, com direção de Larry Clark, revelou-se uma espécie de fogo de artifício do cinema indie em meados dos anos 90, por ser controverso, decadente e honesto. Korine fez sua estréia como diretor com 1998 de “Gummo”, e ao longo dos últimos 15 anos ou mais tem feito filmes que (com a possível exceção de “Mister Lonely”), empurram os limites estéticos e críticos mais e mais, culminando em “Lixo “Humpers” (2009), um filme rodado em uma câmera de vídeo VHS, com um elenco com máscaras de pessoas velhas, tentando provocar o público a uma caminhada. Então, onde ele poderia ir de lá?

Ao fazer “Spring Breakers”, uma curiosa imagem (pelo menos para os padrões de Korine) crime/exploração – que poderia ser descrito como “Drive” por meio de Russ Meyer, Richardson Terry e “Point Blank” – com um bando de estrelas adolescente mais conhecidas por um trabalho saudável, no Disney Channel, e um desempenho de inquieto de James Franco, que só poderia ser um dos melhores do ator dos dias de hoje.

Todos disseram que o enredo é bastante simples. Faith (Selena Gomez), Candy (Vanessa Hudgens), Brit (Ashley Benson) e Cotty (Rachel Korine) são quatro melhores amigas que estudam na mesma faculdade. Faith, a morena, é a mais certinha e cristã, enquanto as outras tem reputações mais temíveis, festeiras.

Elas estão pensando em ir para a Flórida, para Spring Break, mas é não tem dinheiro e, assim, para levantar fundos adicionais, Candy, Brit e Cotty tentam assaltar um restaurante de fast-food. Tudo ocorre sem problemas, e elas vão festejar com os outros meninos e meninas enlouquecidos. O sonho parece ter chegado ao fim, porém, elas são pegas por acusações de uso de drogas pela polícia.

Mas, felizmente, elas chamam a atenção de gangster local/aspirante a rapper, Alien (Franco), que paga as multas e as leva sob suas asas, se apaixonando por Brit e Candy no processo. Mas quando ele entra em conflito com outro traficante, seu ex-melhor amigo Archie (rapper Gucci Mane), quais garotas vão ficar de fora do Spring Break e ficar com ele, e quais irão voltar para a faculdade – ou pior?

É claro que desde o início, esse filme está sendo algo muito diferente para Korine, com uma seqüência de abertura em câmera lenta e de topless de mulheres bebendo cerveja na praia, que poderia ser comparado com uma fita do “Girls Gone Wild” ou um clipe de uma música desprezível, embora com altos valores de produção.

O diretor está trabalhando com um estilo totalmente novo aqui, e graças a DoP Benoit Debie, o filme parece legitimamente fantástico – um colorido, iluminado por um neón noturno altamente reminiscente de imagem do verão usado por outro filme com set na Flórida, “Magic Mike” (os dois vão fazer um inferno em cima da lei dos casais, um dia). Há também algumas filmagens deslumbrantes, incluindo um salto de um guindaste numa piscina verdadeiramente inspirador em uma festa, com milhares de figurantes, aparentemente, e uma captura brilhantemente coreografada da cena do roubo, vista através da janela do carro de fuga.

Também é diferente, porque, se é arte, e provavelmente é, é firmemente uma obra de arte pop. A trilha sonora (quando não impulsionada por Cliff Martinez e Skillrex) é para a maior parte um pop teen e hip-hop, com Nicki Minaj, Goulding Ellie, The Weeknd, e Waka Flocka Flame; todos fazendo aparições, juntamente com a montagem do assalto que marcou, de forma brilhante, Britney Spears.

As cores, o desenvolvimento do caráter fino, as referências do filme (Alien – James Franco – passa “Scarface” repetidas vezes), todos somam o equivalente cinematográfico de algo por Jeff Koons – brilhante, brilhante e finalmente, descartável. A direção de Korine “cutuca”, falando sobre o sonho americano, o materialismo e da necessidade de escapar quanto está na adolescência, mas nunca deixa nada de substância emergir. Ele é muito mais feliz, neste caso, fazendo uma imagem de exploração impecavelmente elegante. Aqueles que procuram algo tão genuinamente chocante, como seu outro trabalho, deve ir para outro lugar – há momentos que agarram manchetes sensacionalistas (cocaína, alguma nudez – principalmente da Sra. Korine-, um “Wild Things” no estilo sexo a três na piscina), mas nada realmente perigoso.

O que não quer dizer que é desinteressante, cinematograficamente falando. O humor (mais uma vez, como com “Magic Mike”) é curiosamente pessimista e triste para a maior parte do filme – ainda que as meninas tenham o melhor momento de suas vidas, elas sabem que está chegando ao fim. Mesmo quando elas entram em uma vida de crime, elas sabem que só pode acabar mal. E a edição fenomenal, feita por Douglas Crise (um editor e ex-assistente de Sodebergh, que também editou “Babel”, “Arbitragem”, entre outros) que realmente empurra para a frente, raramente deixando o espectador preso num tempo “presente”, constantemente pulando no tempo e até mesmo repetindo fragmentos e cenas.

É provavelmente o único aspecto que vai impedir que o filme se torne um sucesso, embora nunca se sabe. Certamente o apelo estrela do jovem elenco deve ser potente, e elas realmente absolvem-se tão bem como se poderia com personagens tão finas, com exceção de Rachel Korine, que nunca se sente confortável na tela. Gomez tem o melhor papel definido, mas provavelmente menos tempo de tela, enquanto Hudgens e Benson são carismáticas, mas essencialmente unidos “pelo quadril” no filme.

Mas, realmente, é filme de Franco. Ele não aparece muito até quase o meio do filme, mas o seu “estilo Flórida” é extremamente divertido. Enterrado sob gírias e dentes de metal, Franco interpreta estrangeiro, como Matthew McConaughey fazendo uma impressão de Lil ‘Jon (que vai fazer sentido quando você assistir, confie em nós…), um gangster curiosamente encantador e infantil. Nós crescemos cada vez mais cansados dos projetos de Franco de “auto-respeito à arte”, mas isso serviu como um lembrete muito oportuno de quanta diversão que ele pode mostrar na tela.

Mencionamos “Drive” mais cedo e, de muitas formas, este parece o equivalente de 2012, uma imagem culta de um crime (embora certamente não tão bom), e não apenas por causa das paisagens urbanas de néon iluminados e pontos de Cliff Martinez – é em última análise, um fino conto de crime, dando mais substância do que deveria ter dado no papel, graças a algumas cenas excelentes. É pouco provável que faça os mais fanáticos por Korine felizes (é quase como uma declaração do diretor, para melhor ou pior, que ele está pronto para parar de brincadeiras e fazer filmes “adequados”), mas os programadores do cinema da meia-noite do futuro, sem dúvida, vão dar um longo período de vida ao fime, mesmo que ele estreie nos cinemas.

Numa visão geral do que foi dito pelo blog, o filme tem tudo para ser um sucesso nos cinemas, pelo ar chocante que ele trás em certos momentos, por provocar o público, discutindo o “sonho americano”, por trazer um humor sombrio e, ao mesmo tempo divertido; e até apesar de pequenas falhas, como saltar muito no tempo, indo do presente para o futuro, voltando para o passado e até repetindo cenas. Num geral, o IndieWire considerou “Spring Breakers” um ótimo filme, levemente convencional, destacando muito as atuações de James Franco, Vanessa, Selena Gomez e Ashley Benson, mas criticando um pouco Rachel Korine.

Para ler a postagem original, clique aqui.

This post discussion is closed.

Pesquisar

Assista Vanessa Hudgens
Vanessa Hudgens Brasil Todos os direitos reservados