Vanessa Hudgens concede entrevista à revista Gay Times

   6 fevereiro, 2019       Lucas Teixeira      Notícias  

Em entrevista à revista britânica Gay Times, Vanessa falou sobre seu novo filme “Uma Nova Chance” (que já está em cartaz nos cinemas brasileiros), a falta de representatividade LGBTQ+ nos filmes da franquia “High School Musical”, seu desejo de voltar ao cenário musical e mais. Confira:

Então, eu amei Uma Nova Chance! O que te atraiu para o filme?
Eu amo comédias românticas! Lembro de ler o roteiro e pensar: “Ai meu deus, Jennifer Lopez vai ser tão boa nesse papel!”. Eu cresci assistindo seus filmes, amo “O Casamento dos Meus Sonhos”, assisti várias e várias vezes. Sinto que ela meio que se afastou desse gênero nos últimos anos, então fiquei muito animada em vê-la agraciar a tela novamente com essa personagem.

O filme tem uma grande reviravolta. Qual foi sua reação quando você descobriu?
Bem, eles tiraram a surpresa de mim! Logo de início me disseram o que era a personagem, e então eu li o roteiro e fiquei tipo, “Pessoal! Vocês deveriam me deixar ter a surpresa!”. Mas eu adorei, porque eu amo um bom arco de personagem e Zoe, minha personagem, vai muito longe do lugar que você a conhece até onde ela termina.

Eu amei o filme porque não se concentra em conseguir um homem, e sim em perseguir sua carreira dos sonhos. Você acha que precisamos de mais comédias românticas assim?
Sim! É tão importante ter entretenimento que inspire. Sim, as comédias românticas do tipo “garota conhece o cara” são divertidas, mas não necessariamente deixa você inspirado de alguma forma. Eu acho que em Uma Nova Chance, você sai do cinema e ela está dizendo um texto sobre a maneira como você escolhe viver sua vida todos os dias é sua própria escolha, e eu sinto que é algo que todos nós sabemos, mas que precisamos ser lembrados. Quando você tem JLo te dizendo isso, você fico tipo “Sim! OK! Eu realmente vou levar isso em conta!”

Como foi trabalhar com as melhores amigas Jennifer Lopez e Leah Remini no set?
Ai meu Deus. Eu saí muito com Leah e Jen enquanto estávamos fazendo nossa turnê de imprensa, e elas são apenas um incríveis! Eles são tão histéricas, o que você vê no filme é o que elas realmente são na vida. Elas falam uma com a outra e se mandam calar a boca, é como um show de comédia. É tão divertido para mim ser a mosquinha na parede e poder vê-las juntos.

Um dos melhores momentos do filme foi a cena da competição de remo. O que você mais gostou de filmar?
Nós filmamos isso durante o Halloween, e eu fiquei tão chateada porque é o meu feriado favorito! Mas foi muito divertido, estávamos ligados a esses grandes barcos, e foi bastante fácil, eu não fui atingida por nenhuma gota de água. Não foi tão catastrófico como foi feito parecer! Havia um monte de dublês, desculpe a quebrar a ilusão!

O que você quer que os espectadores tirem do filme?
Muitas coisas, é importante apoiar outras mulheres, como se houvesse uma competição amigável. Você ainda pode ter a tarefa em mãos e ser o seu melhor você, ganhar nessa tarefa, mas também há validade para apoiar outras mulheres ao longo do caminho. E também, que você tenha controle total sobre sua vida. Se você não está feliz com o lugar onde está, pode fazer algo sobre isso, você nunca está totalmente preso. Eu acho que as pessoas entram nessa mentalidade e isso se torna uma identidade, e esperamos que depois de assistir ao filme, elas percebam que estão no controle de suas próprias vidas e podem ter felicidade, plena aceitação e serem completamente realizadas na vida.

Eu queria falar um pouco sobre o High School Musical, porque tem um grande público gay. Você acha que a série perdeu a oportunidade de ter um personagem abertamente LGBT?
Uau! Nunca me perguntaram isso, então agradeço por me fazer uma nova pergunta. Sim, eu sinto que é interessante porque nos últimos dez anos, houve uma grande progressão, mas também demos um passo atrás ao mesmo tempo. Eu acho que naquela época a Disney não estava pronta para isso. Se fosse outra emissora… Tudo tem seu tempo e lugar. Eu pessoalmente amaria isso em High School Musical e muitas pessoas adorariam isso também. Mas quero dizer, Ryan era gay? Isso nunca foi totalmente explorado, mas eu não sei o quão hétero Ryan era…

Eu acho que o consenso geral é que ele era gay, mas não era aberto sobre isso ainda.
Sim, é verdade. Eu sinto que se fôssemos fazer isso hoje, esse teria sido o caso. É tão engraçado olhar para trás, porque parece datado agora, e a moda! Há algo clássico sobre isso por causa da nostalgia, mas eu me lembro de assistir e pensar “Uau! É nessas roupas que eles me colocaram?”

Você espera que o High School Musical 4 tenha um personagem LGBTQ+?
Eu realmente espero! Eu acho que isso é tão importante. No ensino médio existem muitos tipos diferentes de pessoas e todos devem ser abordados. Somos todos iguais, todos têm uma chance justa de ter sua história contada e explorada.

Ao longo de sua carreira, você vem sendo uma grande defensora da comunidade LGBTQ+. Quão importante é para você fazer campanha pelos direitos LGBTQ+?
É tão importante. Eu fui muito privilegiada no sentido de que eu cresci em uma casa onde todos eram iguais, nunca vi cor, nunca vi etnia, nunca vi sexualidade ou preferência de gênero, nunca vi nada disso. Todo mundo era igual a mim. Eu nunca achei que alguém fosse diferente de mim. Somos diferentes, isso é o que nos torna únicos e individuais, mas no final do dia, somos todos seres humanos que querem amor. Nem todo mundo é tão privilegiado quanto eu por ter pais que aceitavam como os meus, então eu acho que é realmente importante mostrar às pessoas que todos nós só queremos ser amados, e todos nós merecemos a mesma vida. É tão importante lutar pela humanidade.

Minha última pergunta: será que seremos abençoados com outro álbum de estúdio seu?
Acredito que sim! Eu sinto como se tivesse em mim e eu sempre me arrependeria se não fizesse isso de novo. Eu acho que tive que me afastar da indústria da música porque o que eu estava lançando era divertido, e estou tão feliz que ressoou com as pessoas, mas como eu cresci, não é o gosto musical que eu tenho. Eu sou tão esquisita quando se trata de música, eu ouço as coisas mais estranhas, e esse é o tipo de música que eu quero fazer. Então, acho que encontrar minha própria voz artística é algo que exige tempo, foco e atenção, e tempo que não tenho agora porque estou tão concentrado em minha carreira de atriz. Essa tem sido a minha prioridade, eu amo música e amo cantar, então tem sido algo que faz parte da minha vida, mas… eu não sei. Eu sinto que virá, e eu acho que não vai ser o que as pessoas estão esperando, então espero que elas fiquem bem com isso. Só vai levar um tempo para mim, porque será como começar do zero. Eu sei que quando finalmente chegar a hora, será algo de que eu terei orgulho, porque não vou fazer isso até que esteja certa do que quero.

Clique aqui para conferir a entrevista original.

Comentários